Myrna sou eu

 

Uma peça que tem o formato de monólogo e ainda assim, surpreendentemente, ao chegar ao fim tem gosto de "quero mais".


Trata-se de "Myrna sou eu", coletânea de textos de Nelson Rodrigues publicados originalmente em coluna que ele tinha no Diário da Noite. O roteiro adaptado é de Elias Andreato, com acréscimos de falas do grande frasista que foi Nelson Rodrigues trazidas pelo ator, Nilton Bicudo.


Os textos das colunas rodrigueanas foram trazidos à fantasia cenográfica de Andreato para um consultório sentimental radiofônico. A adaptação resultou em algo consistente, agradável de ver e ouvir.


O tom geral é de comédia, mas há quem na plateia chegue a chorar com os casos sempre agudos, digamos, das ouvintes e dos ouvintes que mandam cartas para Myrna, em busca de aconselhamento.


"Outstanding", no entanto, é a interpretação com a qual Nilton Bicudo presenteia a plateia. De uma precisão, de uma força dramática que poucas vezes pode-se ver em um monólogo -- convincente, para dizer o mínimo.


O visagismo e o figurino de Fabio Namatame também são dignos de nota: a réplica de um "tailleur" Dior é bela e de qualidade.


Vale conferir, diversão de alto nível. Leve companhia, para divertir-se a dois. Terão bom assunto para conversa durante o jantar pós-peça.



 NiltonBicudoMyrna
Nilton Bicudo faz uma Myrna que é de capotar de tão boa



Teatro Augusta, rua Augusta 943 - telefone 3151 4151

Quartas e Quintas, às 21 horas

Ingressos online em www.ingressorapido.com.br

 

 

 

 

 

 

última atualização: Sexta, 7 Junho 2013



   

Artes

Uma brasa, mora!

 



CapaRobertoCarlos



Em noite muuuito concorrida, um público estrelado para o Rei. Num lindo e novo local de eventos em São Paulo - Espaço das Américas -, minha filha Patrícia e "o mundo" curtiram o imperdível Roberto Carlos.


Confira, nas lindas fotos de meu amigo, o fotógrafo Nelson Peixoto: 


 

 alt
 Abílio Diniz e sua mulher Geize Marchesi

 

 alt
Alejandro Figueroa e Marco Antonio Tobal

 

alt 
Alexandre Pires, com quem Patricia de Sabrit gravou um clipe em Miami - Santo, Santo -, e sua mulher Sara Campos

 

 alt
A bela Ana Luiza Castro e Pedro Navio

 

 alt
minha amada amiga Astrid Fontenelle e seu Fausto Franco

 

 alt
Audrey Kelly Franco, João Bosco e Vinicius e Carol Maldonado

 

 alt
Barbara Paz, elegantemente trajada

 

 alt
minha colega arquiteta e amiga, Brunete Fraccaroli

 

alt 
 Bruno e sua bela Marianne

 

 alt
 Carlos Miele e Ana Gequelimn, belo casal

 

 alt
 Chitão e Marcia Alvescom, Aline de Pádua e Daniel

 

 alt
Daniel e Aline de Pádua

 

 alt
a adorável Daniela Zurita, feliz

 

 alt
 Edson e Andrea Cypriano com Aline e Frank Aguiar

 

 alt
 Elaine Mickely e seu "lord" Cesar Filho

 

 alt
o estilista e cantor Fause Haten

 

 alt
 nosso nadador Xuxa, Fernando Scherer e sua Sheila Mello

 

 alt
Galvão Bueno e Desirée Soares

 

 alt
Giovani e sua Ana Carolina Moraes

 

 alt
João Paulo Diniz e Ana Garcia Diniz

 

 alt
 Luciana e Alessandro Arcangeli, Carmen Silvia e Reginaldo Leme

 

 alt
 Luciano e Flávia Camargo

 

 alt
o pianista e maestro João Carlos Martins, um dos maiores intérpretes de Bach de todos os tempos

 

 alt
 tal pai, tal filho, os dois Marcos Antonio Tobal

 

 alt
 a eterna Marilia "Gabi" Gabriela

 

 alt
os namorados Michel Teló e Thaís Fersoza, todos sorrisos

 

 alt
 a jornalista Millena Machado, num belissimo vestido

 

 alt
 minha filha Patrícia, curtindo demais o show do Rei

 

 alt
o charmoso Paulo Ricardo e sua Gabriela Medeiros

 

 alt
 o simpático Ratinho e sua mulher

 

 alt
 Reginaldo Leme e Carmen Silvia

 

 alt
 o tão esperado... REI!

 

 alt
 ele canta e a platéia...

 

 alt
 ...vai ao delírio!

 

 alt
 todas querem o rei!

 

 alt
Rosa Maria e o churrasqueiro dos churrasqueiros, Marcos Bassi

 

 alt
 a tradição continua: a também muito simpática Silvia Abravanel

 

 

 alt
 Sorocaba, primo-irmão de minha querida colaboradora Nancy Martorelli, Marcia e Chitão

 

 

 alt
 Teresa Collor e seu marido Gustavo Halbreich

 

 alt
 Thiaguinho e sua mãe querida, Gloria Maria

 

 alt
 o queridíssimo Zezé di Camargo

 

 

 

 

 

 

 

última atualização: Quinta, 13 Dezembro 2012



   

Artes

XIII Art-Supply

 

 

CapaJCMartins 



Em mais uma atitude de impacto social relevante, a Dudalina, empresa parceira deste blog, participou como investidora do XIII Art-Supply, que homenageou e marcou o lançamento do CD "The Best of Bach", do maestro João Carlos Martins


O Art-Supply, fundado e dirigido por Yara e Miguel Perrotti, com seu Instituto Musical Beethoven, tem como objetivo "financiar pessoas deficientes ou sem possibilidade econômica de estudar, pertencentes ou não a instituições beneficentes, desenvolvendo, através da arte, a auto-estima, fazendo descobrir novos talentos artísticos e lançando-as no cenário nacional".


O instituto é parceiro de várias entidades, tais como: DERDIC (para reabilitação de quem tem distúrbios de comunicação), AMA (Associação Amigo dos Autistas), Instituto Construindo o Futuro, Instituto Igual Mas Diferente, e outros mais. 


O Maestro João Carlos Martins, de reconhecido talento a nível global, um dos maiores intérpretes de Bach de todos os tempos, também vem se dedicando a "fazer o bem" há vários anos, com sua Orquestra Bachiana Jovem, agora Orquestra Filarmônica Bachiana SESI-SP, provavelmente a maior e mais importante orquestra da iniciativa privada no Brasil. 


A noite musical ainda teve a apresentação de dois coros infanto-juvenis combinados, o Projeto Coral da Associação Aprocima e o Coral Vozes do Amanhã, com regência da maestrina Lilia Valente


Ao final, vários presentes fizeram importantes doações à causa do Instituto Beethoven.


Parabéns a Yara e Miguel Perrotti, a Lilia Valente, ao maestro João Carlos Martins e à Dudalina pela iniciativa. Dá gosto, muito gosto, ver tantos jovens agarrando com vontade a oportunidade de serem músicos e verem, através da arte, abrirem-se novas portas em suas vidas.


Veja algumas fotos:


No Teatro Popular do Sesi, na Av. Paulista em São Paulo, Miguel Perrotti faz as honras da casa, apresentando músicos e colaboradores, bem como, ao final, sorteando brindes aos doadores da noite


 
Yara Perrotti, ao chamar o maestro, entrega-lhe peça artística...


 
... especialmente feita por Romero Brito para o evento


o maestro João Carlos dá as boas vindas ao público e apresenta os integrantes de sua "Bachianinha"


 
o maestro interpreta o segundo movimento do concerto nro 21 para piano de Mozart. Impressiona constatar mais uma vez como, apesar de sua limitação na mão direita, "quem tudo quer, tudo pode"


 
o jovem violinista-virtuose Renato Yokota apresenta-se com destaque


 
o fantástico tenor Jean William interpreta "Melodia Sentimental", de Villa Lobos


descoberto pelo maestro, este incrível tenor, criado pela avó faxineira e pelo avô bóia-fria tem, sem dúvida, uma carreira brilhante pela frente


a comovente apresentação conjunta do Projeto Coral Aprocima, com suas camisas verdes, e do Coral Vozes do Amanhã, de camisas pretas, que interpretaram, entre outras canções, "Trem das Onze", de Adoniran Barbosa

 

 

 

 

 

última atualização: Quarta, 5 Dezembro 2012



   

Artes

Vale a pena

 

 

 

CapaFotografos

 



Numa mini exposição de FOTOS que antecede a sexta edição do sp-arte/foto (no JK Iguatemi, maior encontro de fotografia do país), quatro fotógrafos conhecidos mostram algumas de suas obras... de arte!


Na Galeria Arte Aplicada, em SP. Os artistas são Cristina Schleder, Jaques Faing, Marcos Magaldi e Suzana Boccacino.


Uma exposição resumida, fotos lindas. Gostei.

 

 alt
Yvonne Niemeyer Renaux, Edla van Steen e Sábato Magaldi prestigiam a mostra

 

 

 alt
Jaques Faing posa diante de suas obras


 

alt 
Cristina Schleder recebe elogios das amigas, entre elas Adriana Barbetta, à direita na foto

 

 

 alt
fotos que parecem pinturas

 

 

 alt
em detalhe, obras de Cristina, muito bonitas!

 


 alt
Rio, pelas lentes de Jaques. Lindo!

 

 

 alt
os mármores de Lord Elgin (Museu Britânico) foram retratados por Marcos Magaldi

 

 alt
a jornalista Esther Angrisani confere as fotos

 

 alt
público apreciador e consumidor de obras de arte

 

 

 alt
"caminhando pelas ruas, disparo". Assim são as imagens de Suzana Boccacino

 

 alt
esta blogueira, em passagem rápida, curte a mostra

 







última atualização: Segunda, 12 Novembro 2012



   

Artes

Raimunda, e que Raimunda!

 

 

Assisti em São Paulo, no teatro Raul Cortez, à pré-estreia da peça "Raimunda, Raimunda", que marca a estreia de Regina Duarte como diretora (e, de quebra, os cinquenta anos de carreira da atriz, que diz irá festejar até 2015, dada a imprecisão da data de quando, de fato, começou a atuar - talvez, desde sempre...)



 
não bastasse ser o arraso que é, ela agora também dirige o que acontece atrás dessas cortinas 



Apesar de vários críticos torcerem o nariz para essa encenação, saí da peça convencida de que Regina nos deu um presente ao decidir-se por dirigir a si própria e a um "grande elenco". Não é difícil imaginar que dirigir e atuar ao mesmo tempo sejam duas coisas que consomem muita energia da pessoa.



 
entre o saguão do teatro e a plateia, uma espécia de "pré-camarim", onde os atores se aquecem antes de entrar em cena. Interessante modo de se aproximar do público



Trata-se da reunião de dois textos do pouco conhecido mas bom dramaturgo piauiense Francisco Pereira da Silva, "Ramanda e Rudá" e "Raimunda Pinto".


Enquanto o primeiro texto, que funciona como primeiro ato, é "menos brasileiro" e "mais ficção científica" e, talvez por isso mesmo, mais "germânico" e um pouco perdido no todo da cena, o segundo, com a brasilidade característica do retirante nordestino, da mulher sonhadora e batalhadora, do pau-de-arara, da chegada à cidade grande sem tostão furado no bolso, funciona e funciona muito bem na encenação da nova diretora. Teria sido melhor, talvez, encenar apenas "Raimunda Pinto".

 

A trilha sonora, que vai de Vivaldi a Ari Barroso, de Gotan Project a Luiz Gonzaga, na maioria das vezes faz bom par com a cena.

 

O cenário, simples e sofisticado ao mesmo tempo, na maior parte do tempo cumpre bem seu papel de localizar com graça a trama, especialmente com o uso de projeções de gravuras de razoável beleza.


Há uma graça circense que permeia toda a encenação.

 

Regina também usa do artifício de um narrador -  não sei se existe no texto original - mas que cumpre bem o papel de coro: afinal, ninguém quer ter de pensar muito para entender o que se passa; está lá para ver, ouvir e se divertir. Refletir sobre a dureza da vida, das iniquidades sociais, sim, mas não para pensar "o que será que o autor/diretor quis dizer com isso?"...

 

O figurino também é bastante sofisticado, dá gosto de ver.

 

Mas é a magistral atuação de Regina que faz com que a ida ao teatro valha de fato a pena. Sua versatilidade, a força de sua interpretação, sua presença de palco, voz, postura, poder de convencimento, tudo que se espera de um bom ator, encontramos nela. Imperdível!

 

Para conhecer a ficha técnica, a localização do teatro, os preços, e a temporada em cartaz, clique aqui.








última atualização: Sexta, 19 Outubro 2012



   

Artes

Fazendo (bela) arte

 

 

 

CapaVerenaIsabelle




Na Galeria Pro Arte em São Paulo, as pintoras e amigas Isabelle Tuchband e Verena Matzen expuseram uma bela coleção!

 

Para comemorar, um coquetel de amigos.


As fotos falam mais que palavras...

 

 

 alt
obras e obras de "nossa" Isabelle, "nossa Matisse"!

 

 

 alt
Patricia e a pintora fantástica, Isabelle Tuchband

 

 

 alt
o hiper arquiteto decorador Roberto Migotto também prestigiou a mostra

 

 

 alt
a linda e talentosa Verena Matzen em frente a uma de suas obras

 

 

 alt
a jovem galerista, minha xará Marina Felmanas, eu e Verena

 

 

 alt
a DJ SONIÁBRÊU (a mais velha DJ do Brasil; só de idade, porque é uma mocinha de espírito!...) e o jornalista de Guaratinguetá, José Luiz de Souza

 

 

 alt
não só de quadros vive a artista plástica Isabelle: cerâmica também é parte de sua arte

 

 

 alt
Rubem Duailibi, Patricia e Sacha Chryzman curtem a noite

Serviço:

Galeria Pro Arte - Alameda Gabriel Monteiro da Silva, 1644

Exposição de Isabelle Tuchband e Verena Matzen, "Conti nu ar me"

até 6 de setembo, segunda a sexta, 10 às 19 hrs.

 

 

 

 

 

 

última atualização: Quinta, 6 Setembro 2012



   

Artes

Divina Marilyn

 

 

 

No Museu Afro Brasil, dentro do Parque Ibirapuera (entrada pelo portão 10)  em São Paulo, uma exposição em homenagem aos 50 anos da morte de Marilyn Monroe.


Uma mostra que incentiva a ida ao belo museu, obra de Oscar Niemeyer, muito bem tratado, revigorado por Emanoel Araújo, ex Pinacoteca e ex Secretário de Estado.

 

Na abertura, ao cair da tarde, uma luz linda e uma boa supresa: um museu a ser visitado! Fomos nós, do blog, conferir.

 

 

 

 alt
 os entornos do museu já são uma obra de arte


 

alt 
o suíço Denis Kohler e os parceiros do blog Luisa e Marcos Renaux admiram a beleza do interior deste museu


 

 alt
exposições referentes a vida afrobrasileira são uma constante; em cartaz agora e que também vale muito a pena ver, "O vaqueiro e a iconografia do cangaço"...



 

 alt
...muito bem montada; fomos para ver Marilyn e nos encantamos também com esta, que vai até o final deste mês de setembro de 2012



 

alt
a mostra MM, e eu, com vontade de Marilyn

 

 

 

 alt
 Luisa e Dennis posam em frente ao enorme painel


 


 alt
a drag Salete Campari/ Marilyn, muito conhecida nos eventos em SP...



 

 alt
... e eu mesma, fotografando em frente aos vários painéis MM

 

 

 

 alt
exposição bastante didática, cheia de objetos e textos... 

 

 

 

alt
...alusivos não só ao brilho, mas também às enormes dificuldades pelas quais passou a diva

 

 

 

 alt
os painéis de Andy Warhol não podiam ficar de fora...

 

 

 

 alt
centenas de cartões postais com a imagem de MM

 

 

 

 alt
com Emanuel Araujo, diretor-curador do museu, ele que é também escultor, gravurista e pintor

 

 

 

 alt
à saída, encontro com Jorge Brandão e Lulu Librandi, que chegavam

 

 

 alt
 Luisa se diverte com a exposíção do vaqueiro e o cangaço...

 

 

 

 alt
...que se estende para fora do recinto

 

 

 

 

 

 

 

última atualização: Quarta, 8 Agosto 2012



   

Artes

Impressionistas em SP e no Rio

 

 


Destaco aqui uma exposição que passará por São Paulo (4 de agosto a 7 de outubro) e Rio (22 de outubro a 13 de janeiro), nos respectivos Centros Culturais Banco do Brasil. Chama-se "Impressionismo: Paris e a Modernidade, Obras-Primas do Acervo do Museu d'Orsay". São 85 obras - e eu diria que é um "must" vê-las! Mesmo que você as tenha visto em Paris, vale rever. Para que ainda não viu - é um "must", mas um must mesmo!


É simplesmente IM-PER-DÍ-VEL. 


Os impressionistas são talvez os pintores que mais têm admiradores, dentre tantas "escolas" de pintura que a história da arte nos oferece. Para cá vêm quadros de Gauguin, Monet, Manet, Renoir, Toulouse-Lautrec, Matisse, Degas, Van Gogh e vários outros. 


Não só pelo fato de, para a formação estética de cada um de nós, o conhecimento de obras destes pintores ser fundamental, o prazer visual que a observação destas obras provoca é algo inigualável. 


Não perca, é prazer puro, do começo ao fim da visitação. Vá em horários alternativos, pois a visitação, provavelmente, será muito intensa

 

 

 

 

Estação de trem Saint-Lazare: uma das obras que estará na exposição, de Claude Monet

 

 

 
 O Tocador de Pífano, de Édouard Manet, também presente na mostra

 

 
 Camponesas Bretãs, de Paul Gauguin - igualmente na mostra


 
 Salão de Baile em Arles, de Van Gogh, mais uma das obras primas que poderemos ver no CCBB



Impressionismo: Paris e a Modernidade, Obras-Primas do Acervo do Museu d'Orsay

Centro Cultural Banco do Brasil, rua Álvares Penteado, 112 / SP-SP

de terça a domingo, das 10 hs à 22 hs

fone (11) 3113-3651 

de 4 de agosto a 7 de outubro

 

 

 

 

 

 


última atualização: Terça, 7 Agosto 2012



   

Artes

A peça escocesa

 

 

Até 19 de agosto está em cartaz, no teatro Vivo em São Paulo, a peça Macbeth, de William Shakespeare, com direção de Gabriel Villela e com Marcello Antony e Claudio Fontana no elenco, interpretando os papéis-título.


Claudio Fontana e Marcello Antony: Lacy Macbeth e Macbeth


A encenação toda é um deslumbre: a começar pelos figurinos de Gabriel Villela e Schicó do Mamulengo (que também assina os adereços). Gabriel, como já disse em "minhas listas", é um de meus diretores favoritos, e grande parte de minha imensa admiração por ele é justamente seu talento para a concepção e confecção dos figurinos, que são sempre, sem exceção, em qualquer de suas peças, simplesmente ma-ra-vi-lho-sos!


Marcello Antony interpreta Macbeth com maestria. Convence. Claudio Fontana, ao bom estilo shakespeariano, interpreta Lady Macbeth com igual perfeição: não se preocupa em "viver" uma mulher, não interpreta em chave realista, mas, ainda assim, especialmente em seus deslocamentos pelo palco, dá ao espectador a sensação de verossimilhança.


As bruxas, interpretadas por José Rosa, Marco Furlan e Rogerio Brito, são impagáveis. Uma espécie de coro, que vai avisando o que virá, elas dão seus vaticínios de maneira a um só tempo trágica e divertida, se é que isto é possível. Ali, é.


As bruxas: José Rosa, Marco Furlan e Rogerio Brito

 


Eu aconselho vivamente que você assista a esta peça. Leve seu namorado, seus filhos, sua mãe, enfim, quem for: sairá do espetáculo com novo vigor.


Macbeth, de William Shakespeare, com direção de Gabriel Villela

Teatro Vivo - Av. Dr. Chucri Zaidan, 860 - Morumbi

Sextas feiras às 21:30 hs

Sábados às 21 hs

Domingos às 19 hs

Até 19 de agosto

 

última atualização: Sexta, 27 Julho 2012



   

Artes

Brecht e Fernando Peixoto

 

 

Este blog esteve no evento de relançamento da coleção Obras Completas para Teatro de Bertolt Brecht, a que deram o nome "Bertolt Brecht Fundamental", iniciativa conjunta das editoras Paz & Terra e Saraiva

 

O lançamento ocorreu na Livraria Saraiva do Shopping Paulista, e foi, simultaneamente, uma homenagem ao ator, diretor e tradutor Fernando Peixoto, falecido em janeiro deste ano, um dos grandes responsáveis pelo primeiro lançamento da coleção e por muitas encenações das peças de Brecht no Brasil.


Celso Frateschi e Dagoberto Feliz fizeram um "pocket play", apresentando para um público que lotou a pequena sala de eventos da livraria, a peça "O mendigo ou o chachorro morto".


A coleção, vale ressaltar, está sendo vendida (os doze volumes) a um preço excepcional: 198 reais. Isso significa que, cada livro que era vendido, separadamente, a 50 reais, tem seu preço agora a $ 16,50!


alt
o cartaz - convite

 

 

 alt  alt
as duas caixas da coleção... ...com seis volumes em cada

 

alt
o homenageado da noite, Fernando Peixoto

 

alt
Christine Röhrig, co-editora da edição e mediadora do evento, também tradutora de Brecht

 

alt
 Celso Frateschi, ator, diretor, dramaturgo e político

 

alt
 Dagoberto Feliz, músico, ator e diretor musical

 

alt
 Marcus Gasparian, editor da Paz & Terra

 

alt
 plateia feminina atenta...

 

alt
 ...assim como a masculina

 

alt
 o crítico da Folha de S Paulo e autor teatral, Nelson de Sá

 

alt
a professa Maria Silvia Betti, especialista, entre outras coisas, em Fernando Peixoto 

 

alt
 o colaborador deste blog e também tradutor de Brecht, meu irmão Marcos Renaux

 

alt
 professora Iná Camargo Costa, talvez a maior especialista em Brecht no Brasil

fotos Saraiva por: Paulo Guimarães

 

 

 

 

 

última atualização: Domingo, 22 Julho 2012



   

Artes


    1 2